quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017



O ex-deputado Eduardo Cunha teria se recusado a fazer na cadeia exames comprobatórios de que ele teria um aneurisma cerebral. A afirmação foi feita pelo diretor do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), Luiz Alberto Cartaxo de Moura, disse que houve recusa de Cunha em fazer o exame nesta manhã, nas dependências do Complexo-Médico Penal, em Pinhas, região metropolitana de Curitiba, onde ele está detido.
“O custodiado negou-se terminantemente a fazer este exame e colhemos o depoimento dos médicos e na presença desses médicos ele afirmou que não faria o exame. Ressalto ainda que essa enfermidade foi revelada no dia 21 de dezembro ao corpo médico do CMP que solicitou a família e aos advogados que fossem encaminhados os exames e os documentos comprobatórios de tal situação, o que até hoje não aconteceu”, declarou o diretor do Depen.
Ao final de quase três horas de depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, n, o ex-deputado Eduardo Cunha leu uma carta manuscrita em que se defende das acusações e apela por sua liberdade por questões de saúde. Ele também fez críticas às condições da penitenciária.
“Quero dizer também, que também sofro do mesmo mal que acometeu a ex-primeira-dama Marisa Letícia, um aneurisma cerebral”, disse, aproveitando a oportunidade para prestar solidariedades à família Lula pelo passamento. “o presídio onde ficamos não tem a menor condição de atendimento se alguém passar mal. São várias às noites em que presos gritam sem sucesso por atendimento médico e não são ouvidos pelos poucos agentes que lá passam a noite”, disse o ex-deputado, afirmando ainda estar diante de um processo político, em que as empresas nacionais estão sendo punidas e as estrangeiras, apesar da confissão de crimes, poupadas.
Por causa da alegação de Cunha, o Depen determinou a realização do exame.  “O custodiado Eduardo Cunha foi instado a realizar exame capaz dizer se efetivamente ele é portador dessa enfermidade. Por duas vezes já se tentou se comprovar a existência desse aneurisma e e por duas vezes isso não foi possível”, disse o diretor do Depen.
Luiz Alberto Cartaxo de Moura acrescetou que por ter se recusado a fazer o exame, Cunha deve ser punido de acordo com a Lei de Execuções Penais,  “A negativa de Eduardo Cunha em realizar exame determinado pelo corpo clínico do Complexo-Médico Penal, nos termos da Lei de Execuções Penais, constitui ‘infração leve’. Ou seja, conselho disciplinar será aplicado a Eduardo Cunha e uma pena leve será colocada em sua ficha carcerária”, sentenciou.
O relatório da atividade médica desta quarta-feira (8) deve ser encaminhado ao juiz Sérigo Moro. “Este é o relatório que temos a fazer e essa é a posição definitiva do Depen a essa questão que envolve o aneurisma. Informo também que tudo isso está sendo regiamente comunicado ao juis federal, doutor Sérgio Moro, uma vez que trata-se de preso provisório sob a erce daquele juiz”, finalizou Cartaxo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário