segunda-feira, 30 de janeiro de 2017


JUNTOS NO MESMO  LAMAÇAL! Políticos graúdos do PMDB e PSDB e de  outros  partidos se unem para ‘melar’ delação da Odebrecht.



Um dos principais jornalistas do país, Kennedy Alencar, alertou para um possível cancelamento da delação de Cláudio Melo Filho (ex-presidente de relações   um dos principais jornalistas do pais,KENNEDY ALENCAR, alertou  para  um  possível cancelamento  da  delação de  Claúdio  Melo  Filho (ex- presidente de relações institucionais da Odebrecht)
Cláudio delatou o nome de 51 políticos de onze partidos, entre eles Michel Temer, Jucá e Renan Calheiros.
A maioria dos políticos que foram acusados de receber ‘benesses’ da Odebrecht pertencem ao PSDB e ao PMDB.
De acordo com Kennedy, os partidos acima citados já estão articulando uma pressão sobre o ministro relator da Lava-Jato, Teori Zavascki.
As delações dos executivos já foram assinadas em comum acordo com o MPF, porém ainda dependem da chancela de Teori […] precisam ser homologadas.
Outro fato que chama atenção é de que as delações mais importantes (envolvendo caciques da política) estariam sendo vazados para a imprensa […] o que poderia forçar a Procuradoria Geral da República a cancelar os acordos de delação.
Caso semelhante aconteceu com a delação do empresário Léo Pinheiro, da OAS, que teve seu acordo cancelado por Rodrigo Janot.
Tanto no caso de Léo quanto no caso de Claúdio Melo, as informações foram passadas para a revista Veja.
Seria essa uma estratégia para cancelar tais acordos? Quem estaria vazando essas informações sigilosas?

UM DETALHE IMPORTANTÍSSIMO

Cláudio Melo Filho era responsável pelo relacionamento da empresa com o Congresso.
Trabalhava na Odebrecht há 27 anos, dos quais 12 deles em Brasília.
Melo era o braço direito de Marcelo Odebrecht.

Nenhum comentário:

Postar um comentário